Em defesa da honra de Deus

Na última quinta-feira, dia 15/04/21, José Olímpio, Pastor da Assembleia de Deus, publicou imagem do comediante brasileiro Paulo Gustavo, que encontra-se internado, em estado gravíssimo, devido à complicações da Covid19, com os seguintes dizeres “Eu oro para que o dono dele o leve para junto de si”, em clara referência à figura de Lúcifer, Satanás, ou quem quer que se interprete como o representante do “mal” na Terra.

  Paulo Gustavo é homossexual assumido, casado, pai de dois filhos, e, até onde eu saiba, excelente pessoa. Mas não é sobre Paulo Gustavo que trata este artigo. De toda a forma, aqui abro um parênteses, para dizer que eu torço por sua recuperação, como a de todos que estão travando suas lutas contra a Covid.

  Nesta segunda-feira, dia 19/04/21, o mesmo Pastor José Olímpio, volta a público para uma “retratação”, pedindo “desculpas” pelo ataque ao ator e sua família, mas alegando que seu objetivo era “tentar defender a honra de Deus”.

  Se formos observar, tais episódios são recorrentes ao longo da História Humana. E nada mais demonstram que a arrogância que, em nossa espécie, muitas vezes desconhece limites.

  Mais difícil fica compreender este tipo de atitude vinda de alguém que se diz “Pastor”. Quem conhece a História e a vida de Jesus de Nazaré (e aqui vou citar como referência os dois evangelistas que melhor a descrevem, em minha opinião, Marcos e Mateus), sabe que, dentre os muitos ensinamentos do Cristo, está a humildade e a ACEITAÇÃO daquilo que Deus determina.

  Desejando a morte de quem quer que seja, pelo motivo que for, você coloca-se numa posição pretensamente acima da divina, pois, além de não aceitar Seus desígnios, ainda pretende tomar uma atitude que, para os que creem,  cabe somente a Deus: determinar o momento da morte de alguém.

  Em nenhum momento de sua passagem pela Terra, Jesus Cristo julgou ou condenou alguém. Ao contrário: Jesus ensinou a perdoar, compreender, estender a mão, dar a outra face e “amar ao próximo como a si mesmo”.

  Apesar de todos estes ensinamentos, ao longo dos séculos, muito se vem errando “em nome de Deus”. Haja vista todo o episódio envolvendo a “Santa Inquisição”, onde foram perpetradas atrocidades inomináveis, e as “Cruzadas”, onde aldeias inteiras de muçulmanos foram dizimadas sem o menor traço de piedade, para ficar apenas em dois exemplos.

  Mas, quando nos dias de hoje, um Pastor, de uma Igreja dita “cristã”, que deveria dar e ensinar o exemplo de Cristo, deseja a morte de alguém e se pretende “defensor da honra de Deus”, vemos que algo de muito errado continua havendo em nossa sociedade. E que Cristo continua, infelizmente, sendo muito mal compreendido e interpretado.

  O problema nunca foi Paulo Gustavo, as bruxas de Salém, ou as crianças sarracenas, e sim a arrogância, a falta de empatia, de amor ao próximo, de fazer o bem, de exercitar e por em prática os ensinamentos tão simples que Cristo nos deixou. Que Deus, em sua infinita bondade, olhe, tenha piedade de nós.

Ana Paula Pinho

Mestre e Doutora em Neurociências.

4 thoughts on “Em defesa da honra de Deus

    • 20 de abril de 2021 em 23:37
      Permalink

      Obrigada, Fernando. Vindo de você, com todo o seu conhecimento, é um elogio e tanto!

      Resposta
  • 21 de abril de 2021 em 00:16
    Permalink

    Tempos difíceis esses, de onde deveria vir o consolo e a esperança infelizmente vem a intolerância e preconceito.
    Como se fosse possível Deus precisar de qualquer tipo de defesa. Oremos que é o que nos resta.
    Acompanhando seu trabalho dra.

    Resposta
    • 21 de abril de 2021 em 15:38
      Permalink

      Bem isso, Viviane. Tempos difíceis!

      Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *